Rolha de Cortiça X Tampa-rosca: O Confronto nos Vinhos

Rolha de Cortiça X Tampa-rosca: O Confronto nos Vinhos

É um dos grandes debates do mundo do vinho: Cortiça contra tampa-rosca. Qual a melhor? Quais as vantagens e desvantagens de um em relação ao outro? A Carpe Vinum mostra nesse artigo o que realmente interessa na hora de apreciar os vinhos com cada tipo de selamento. Boa leitura!

A percepção de tampas de rosca é uma coisa intrigante. Na Nova Zelândia e Austrália, tampas de rosca firmemente dominam o mercado e são colocados em tudo, desde os vastos Sauvignon Blanc e Chardonnay  até de Pinot Noir e Shiraz.

Mas nos Estados Unidos, e em outras partes do mundo, as tampas de rosca sofrem de uma espécie de falta de pedigree. Em outras palavras, eles têm um problema de imagem infeliz.

Quando as primeiras tampas de rosca chegaram o mercado, elas foram usadas para um vinho mais barato, deixando, na visão dos consumidores e especialistas, as tampas no mundo barato e de qualidade inferior.

Mas à medida que os anos foram passando e os produtores ganharam mais experiência com os novos processos de engarrafamento, ficando frustrados com as limitações da cortiça natural, algumas coisas tornaram-se evidentes.

Primeiro, rolhas não são infalíveis. Se você é um bebedor de vinho regular, provavelmente você já abriu uma garrafa na qual um cheiro molhado, um mofo, estava presente, causando assim um efeito de vinho "rolha". Este é o gosto a rolha, uma contaminação do vinho causada por TCA - um composto químico que infecta a rolha e, como resultado, transmite essas características desagradáveis para o vinho na garrafa.

No início de 2000, viticultores na Austrália e Nova Zelândia decidiram minimizar sua exposição a perdas monetárias e a destruição de seus vinhos e reputações, buscando uma alternativa compatível. E como estes dois pioneiros fizeram a mudança para tampas de rosca, o mundo maior do vinho começou a tomar conhecimento real desse selamento antes desprezado.

Mas por que exatamente algumas pessoas são tão avessas à tampa-rosca? Para entender isso, precisamos dar uma olhada mais de perto a mecânica e história dos dois.

Rolhas de cortiça são feitas de cortiça natural, e por centenas de anos, elas desenvolveram uma rica história e um sentido inevitável na cultura vinícola. Elas também são ligeiramente porosas e, portanto, respirável. Ou seja, ao longo do tempo elas permitem que pequenas, mas variáveis quantidades de oxigênio entrem em contato com o vinho dentro da garrafa. Isso, sutilmente muda as características do vinho, suavizando os taninos e desenvolvendo ainda mais a complexidade dos seus aromas e sabores. Por isso as rolhas ficam com os louros quando se trata de envelhecimento do vinho.

As tampas-rosca, por outro lado, são compostos de alumínio e polietileno, são surpreendentemente fáceis de abrir quando comparado com rolhas. Porque eles são relativamente novos, eles não têm a mesma associação com história e tradição como as rolhas - e por isso eles não são tão valorizados, nem as pessoas têm o mesmo nexo experiencial para elas. Tampas-rosca clássicas também impedem praticamente qualquer oxigênio de entrar no vinho.

Não há dúvida de que as tampas -rosca são tão eficazes como rolhas na hora de preservar o vinho a curto prazo; na verdade, eles são, provavelmente, melhor, uma vez que as rolhas de fato permitem que um pouco de ar dentro da garrafa. Tampas-rosca selam o vinho e o mantém hermético, então tudo o que está no frasco permanece bem preservado e exatamente como o enólogo quer.

Mas há outra razão por que muitos preferem rolhas: a glória e cerimônia de tradição. Isso nos leva ao argumento mais interessante pró-cortiça, que é o "ritual" de abrir um vinho. Os apreciadores da velha escola são dolorosamente relutantes em deixar ir deste costume. Há o possível gosto a rolha, mas, mesmo assim, muitas pessoas se recusam a beber vinhos engarrafados com tampas-rosca.

Se você está à procura de dados e estatísticas sobre a capacidade de tampa-rosca para o envelhecimento do vinho, você não vai encontrá-los agora, não importa o que alguém lhe diz. Vamos, naturalmente, ter mais informações nos próximos anos, mas provavelmente passará mais de uma década antes que alguém possa dizer com autoridade que um é melhor do que o outro - ou que eles são iguais.

Mas se você não está olhando para a idade de um vinho para os próximos 10 anos, então aqui está um fato: as tampas de rosca são tão boas quanto!

Para experimentar, escolhemos o australiano Whiz Bang Barossa 2013, um excelente vinho tinto que adotou a tampa-rosca e oferece muitos aromas como o de ameixa preta com toques de pimenta branca, e um complexo final com carvalho. Vale a pena conferir esse rótulo e conferir outras tampas e rolhas na nossa loja!