Vinificação do Vinho Tinto

Vinificação do Vinho Tinto

Os vinhos tintos são mais fáceis de fazer do que os vinhos brancos: o trabalho do vinificador consiste em orientar o desenvolvimento de um processo natural muito simples em seu princípio. Mas a vinificação dos grandes vinhos tintos exige cuidado extremo e muito talento. Acompanhe com a Carpe Vinum como os vinhos tintos são elaborados. Boa leitura!

Como para os vinhos brancos, a vinificação consiste em transformar o mosto açucarado em álcool. A particularidade da vinificação em tinto repousa sobre a maceração. Durante essa etapa, por um fenômeno de infusão, a matéria colorante, os taninos e os numerosos compostos aromáticos contidos nas partes sólidas da uva (casca, sementes) são dissolvidos no sumo, dando ao vinho sua cor e seu caráter. As técnicas seguem esse mesmo princípio, ainda que variem segundo as cepas, o clima e as tradições locais.

A maceração clássica

O processo aqui descrito é empregado, em suas grandes linhas, tanto na França quanto em outros países. As uvas tintas são esmagadas e desengaçadas: elas se rompem, liberando seu sumo e destacando-se do esqueleto do cacho. Em seguida, transfere-se o mosto, massa sumarenta das uvas esmagadas, para cubas de madeira ou de aço inoxidável termorregulada. A duração da permanência nas cubas, associando maceração e fermentação, pode variar de alguns dias a três semanas segundo o estilo do vinho.

A maceração carbônica

A diferença maior entre a maceração carbônica e o método anterior reside na utilização de uvas não esmagadas. Bastante difundida no Beaujolais, essa técnica consiste em colocar os cacos inteiros em uma cuba fechada, que é preenchida de gás carbônico. Sob o efeito desse gás, um fenômeno particular, denominado “fermentação intracelular”, se produz. Ele acerta, no interior das bagas intactas, a formação de uma pequena quantidade de álcool e uma degradação de ácido málico. Essa fermentação é acompanhada da produção de substâncias aromáticas típicas. Uma permanência curta na cuba, de 4 a 6 dias, permite obter vinhos muito florais, cuja maciez é imediatamente adquirida. Na sequência, o gás carbônico é expulso e a fermentação alcoólica prossegue normalmente.

A maceração carbônica manifestou seu valor para os vinhos da cepa Gamay comercializados jovens. Ela é, hoje em dia, amplamente aplicada no caso de algumas cepas que serão depois combinadas com vinhos procedentes de maceração tradicional para a elaboração de vinhos mais macios, em particular no vinhedo mediterrâneo.

A grande magia no mundo dos vinhos é de descobrir as inúmeras combinações e possibilidades de texturas e aromas feitos em cada garrafa. O Out of Africa 2012 é um excelente vinho tinto Sul-africano  que passa pela maceração carbônica e oferece ao paladar aromas de frutas silvestres maduras, com toques de especiarias, deixando-o rico e de ótima sustentação. Confira esse rótulo e outras ofertas na nossa loja e fique atento às nossas promoções! Até a próxima!